segunda-feira, 17 de junho de 2024

Afeto no dia a dia 59

  Sempre que você observar a humildade em alguém, tenha a certeza de que pode atingir a mesma condição quando se lembrar de que seu valor pessoal somente pode ser aferido por você. Quando a humildade do outro for dirigida a você, acolha sua afetividade, sem rejeição ou julgamento de valor, a fim de melhor compreender o que vê e ouve em favor do crescimento mútuo. Quando a humildade do outro lhe parecer artificial, forçada ou fora de tempo, evite crítica, demonstrações de como você agiria, ou exposição da atitude inadequada percebida. Tenha compaixão e aja humildemente.

Extraído do livro Afeto no dia a dia.

domingo, 16 de junho de 2024

Afeto no dia a dia 58

  Ser humilde é saber de suas próprias habilidades, utilizando-as sem alarde ou exigindo aplausos. A afetividade é companheira da humildade, pois suaviza a fala, aproxima as pessoas, promovendo leveza nas relações interpessoais. Quando a humildade aparece, a tensão se desfaz, a agressividade se afasta e a harmonia se instala. Sempre que sua humildade estiver ativada, lembre-se de que o outro se espelhará em você para alcançar semelhante resultado. Sua fala, seus gestos, seu olhar e suas intenções, quando carregados de humildade, penetrarão no coração de quem com você convive, razão pela qual busque naturalizar tudo que tem sua marca.

Extraído do livro Afeto no dia a dia.

sábado, 15 de junho de 2024

Afeto no dia a dia 57

  O afeto ao outro, aliado à empatia e seguido da compaixão, compõe atitudes capazes de mudar o curso da vida, favorecendo a que todos se antecipem à necessidade de perdoar alguém. Grande parte das ações humanas são reações ao que motiva ou incomoda, sobretudo ao que vem do outro, o que contribui para a impulsividade e uma consequente atitude intempestiva. Compreender o outro é entender-se, aprendendo a lição com a experiência de contato. Portanto, ter compaixão, emitir afeto e agir com amorosidade são úteis ferramentas acessíveis a todos. Busque antecipar-se ao pedido de perdão de alguém, assumindo a condição de aprendiz da Vida na experiência emocionalmente forte.

Extraído do livro Afeto no dia a dia.

sexta-feira, 14 de junho de 2024

Afeto no dia a dia 56

  Agredido e agressor se encontram em sintonia de predisposições, na qual a inabilidade de um se depara com um núcleo inconsciente gerador de culpa do outro. Por essa razão, o agredido deve buscar entender a finalidade do perdão a si mesmo por qualquer semelhante atitude cometida, compreendendo que a experiência gerará alguma predisposição no destino do outro. O encontro de ambos se deve ao fato de que tudo e todos estão conectados por invisíveis elementos apropriados para uma educação conjunta. Antecipar-se às possibilidades de semelhante e desnecessário embate torna-se viável quando o provável agressor educa suas emoções e o possível agredido liberta-se de antigas culpas.

Extraído do livro Afeto no dia a dia.

quinta-feira, 13 de junho de 2024

Afeto no dia a dia 55

  Compreender os motivos, justos ou injustos, do agressor é, de fato, tarefa difícil de quem sofre a agressão. Em geral, a raiva, a indignação ou a valorização de si mesmo assume a Consciência, exigindo reação imediata para que se restaure o equilíbrio psíquico. O Eu se vê premido a revidar o que considera uma injustiça a ser reparada. Mas, devemos nos lembrar de quando sofremos algum revide ante uma palavra não bem proferida, colocando-se, agora, em lugar do agressor e, portanto, entendendo-lhe as prováveis e infelizes razões. É nesse momento que nossa empatia será colocada em xeque, denunciando seu estágio de evolução.

Extraído do livro Afeto no dia a dia.

quarta-feira, 12 de junho de 2024

Afeto no dia a dia 54

  O perdão é a atitude que pressupõe a importância e o valor da experiência que gerou raiva, o entendimento do convite para a compreensão dos motivos do agressor, a legitimação, sem negar a emoção sentida, e a reflexão sobre as razões de a Vida querer ensinar algo ao agredido. Perdoar é doar ao agressor a oportunidade de aprender a viver sem agredir e sem necessitar machucar ninguém com a própria inabilidade. O perdão é a certeza de que a lição foi aprendida, mesmo tendo sido vítima de alguém, dando-lhe o benefício de uma nova chance para fazer melhor. Perdoar é ser grato à Vida pela lição recebida sem ter agredido ninguém.

Extraído do livro Afeto no dia a dia.

terça-feira, 11 de junho de 2024

Afeto no dia a dia 53

  Sua sexualidade é patrimônio pessoal, merecendo educação, respeito e uso responsável. A compreensão de sua força e a responsabilidade para com o outro são condições exigidas para que você desenvolva novas habilidades no uso da sexualidade. Considere sempre que todo uso repetitivo implica hábito, o que gera condicionamento, provocando dependência. Em matéria de sexo, não é diferente, pois seu uso promove intensas recompensas de difícil renúncia. Compreendendo a possibilidade de manter-se vinculado a alguém exclusivamente pela energia sexual, busque educar seu desejo, para não se tornar prisioneiro de fortes emoções que gerem predisposições negativas.

Extraído do livro Afeto no dia a dia.

segunda-feira, 10 de junho de 2024

Afeto no dia a dia 52

  Sempre que você observar a erotização de seu afeto por uma pessoa amiga, à sua revelia, avalie a necessidade de mudança, para que isso não venha a inviabilizar a continuidade da amizade fraterna. Cuide para que sua sensualidade esteja suficientemente educada a fim de não promover relações amorosas instáveis e conflituosas. Estabeleça a diferença entre afeto e desejo sexual, aprendendo sempre a utilizá-los em momentos adequados e a serviço da integração da capacidade de amar. Guarde em seu mundo íntimo a possibilidade de optar pela renúncia quando perceber que a realização do desejo erótico é inconsequente.

Extraído do livro Afeto no dia a dia.

domingo, 9 de junho de 2024

Afeto no dia a dia 51

  O afeto, na atividade sexual humana, confere-lhe a qualidade vibracional que naturaliza o ato, proporcionando aos envolvidos a sensação de bem-estar e de felicidade. A comunhão erótica, antes de ser uma experiência merecedora de um julgamento moral, deve ser tida como ato comum, que deve ser compreendido como expressão da ânsia do ser humano em se conhecer, carecendo de educação e adequação a seus propósitos evolutivos. Pelo prazer intenso que promove, merece uso responsável e consonância com a harmonização psíquica, para proporcionar os objetivos para os quais foi designada.

Extraído do livro Afeto no dia a dia.

sábado, 8 de junho de 2024

Afeto no dia a dia 50

  A sexualidade, desde os primórdios da evolução humana, proporciona o despertar da afetividade. O prazer advindo da atividade sexual direciona o Eu para a construção da habilidade afetiva. A ânsia natural pelo prazer estimula automaticamente o Espírito ao uso do agrado afetivo, para alcançar seu objetivo. Nessa tendência e sob o reforço do prazer, o Espírito, um dia, experimentará sentir o amor, habilidade que o capacitará a atingir outras dimensões evolutivas. Sem o amor, o sexo atende apenas a necessidades psíquicas secundárias, que não lhe acrescentam habilidade evolutiva alguma.

Extraído do livro Afeto no dia a dia.

sexta-feira, 7 de junho de 2024

Afeto no dia a dia 49

  Inclua, na definição de sua religião, a consciência de que todos somos imortais, vivendo uma experiência espiritual em um Personagem, atendendo aos Desígnios Divinos, em busca da autodeterminação. Viva sua religião como um estado íntimo de conexão profunda com o sentido e significado de sua existência, fazendo dela a máxima expressão do Criador da vida. Conecte-se à razão de sua existência em tudo que você faz, para que sua vida seja autêntica e suas ações sejam coerentes com seus princípios, sobretudo com a ética. Seja sempre você, Espírito imortal, a serviço de sua realização divina.

Extraído do livro Afeto no dia a dia.

quinta-feira, 6 de junho de 2024

Afeto no dia a dia 48

  Que sua religião seja o amor, que sua prática se torne seu viver, que sua filosofia contenha a imortalidade e a continuidade do Eu da Consciência. Religião é espiritualidade e transcendência em ação na vida comum, sem desprezar o convívio fraterno e a participação na vida em sociedade. Observe o espectro de religiões ao seu redor e compreenda que se trata de diferentes estados da Consciência humana na percepção do Divino, sem que haja superioridade de qualquer delas. Portanto, todas merecem seu respeito. Sua religião deve ser conforto íntimo, que possa levar ao outro a palavra amiga, sem sectarismo ou desejo de cooptação para suas convicções.

Extraído do livro Afeto no dia a dia.