terça-feira, 24 de junho de 2014

O adicto

O ambiente do quarto hospitalar estava pesado. Parecia que havia uma grande multidão em torno da cama. O doente, adicto há pelo menos trinta e cinco anos, exalava fluidos desagradáveis. Adormecido, não apresentava qualquer risco. Notei que estava amarrado ao leito. A abstinência de cinco dias das drogas provocou-lhe agitação, agressividade, risco para os demais internos e cuidadores. Aproximei-me do leito, enquanto ele dormia, e, mentalmente, enderecei-lhe uma pergunta: “por que causar tanto sofrimento a si mesmo?”. Como não obtive resposta, fiz uma oração para que minha pergunta ecoasse dentro dele e lhe trouxesse alguma reflexão positiva. Poucos segundos depois, “ouvi”, dentro de mim, a resposta que não esperava, em forma de conselho, emitida por um amigo espiritual que me acompanhava na visita. – “Ele não será capaz de registrar sua pergunta e, mesmo que o escutasse, não elaboraria qualquer reflexão. Emita, pelo coração, o sentimento de compaixão, pois este ele receberá e valerá por milhares de reflexões.”. Calei-me, compreendendo o reduzido significado de palavras para aquele momento. Orei, pedindo a Deus que o acolhesse e que me iluminasse a alma para vibrar na faixa do amor.


4 comentários:

  1. O AMOR CURA.
    "QUALQUER FORMA DE AMOR VALE A PENA"...

    ResponderExcluir
  2. O doente, adicto é igual a uma mula, quando empaca, não tem que dê jeito.
    Muita paz

    ResponderExcluir
  3. Marcele Rodrigues25 de junho de 2014 09:39

    Além do adicto, podemos levar esse ensinamento para o âmbito de todas as relações. Muitas vezes, lidamos com pessoas que cometem equívocos e não os percebem. Aconselhamos, porém as palavras não são registradas. As vezes concordam no primeiro momento, mas logo em seguida reincidem. Como seria bom se nossos conselhos e indagações fossem reflexionados. Quando não for possível ajudar com palavras, devemos emitir e nos satisfazer com nossas ondas de amor.
    Muito bom esse texto

    ResponderExcluir
  4. As vezes nao ajudamos com palavras.Basta um sorriso em um rosto sincero, para nos da uma segurança. Muita paz.

    ResponderExcluir