terça-feira, 23 de maio de 2017

Estar em boa companhia 8

A solidão na velhice, por conta da baixa vitalidade e da rejeição social, é bem pior do que antes desta fase da vida. Previne-se contra a velhice solitária quando se cria e executa projetos de vida que não sofram solução de continuidade com a baixa vitalidade física. Fazer amigos entre pessoas idosas amplia a compaixão de quem com elas compartilha alguns momentos da vida. Nem sempre conseguimos estar com as pessoas em companhia das quais nos sentimos bem. Nem sempre merecemos. Embora não haja limites para desejar, existe para ter o que se quer. Quando transformamos os momentos que vivemos em ricas experiências de contato com o outro, a ausência de alguém não nos faz sofrer, muito embora a saudade apareça.


Extraído do livro O bom da vida.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Estar em boa companhia 7

Cercar-se de boas companhias é garantia de uma velhice tranquila e prazerosa. É uma arte construir e manter amizades sólidas. A certa altura da vida não vale mais a pena rejeitar-se uma boa conversa com alguém desconhecido, rir de uma situação engraçada consigo mesmo, bem como oferecer o prazer de sua companhia sempre que a situação couber. A vida tem seu lado bom bem vivido quando a pessoa deixa de julgar os atos alheios, transborda sua alegria íntima contagiando os outros e sente uma perfeita integração nos ambientes que frequenta.  Estar a sós pode nos fazer entrar mais em contato com nossa própria natureza, pois não estaremos representando para alguém ou criando uma persona[1]para a relação com o outro. Porém, se isso poderá nos ajudar na descoberta de nós mesmos, também nos tornará mais limitados na percepção da Humanidade em nós, pois não teremos espelhos para enxergar que somos seres coletivos. A experiência de relacionar-se com alguém é o campo de materialização que nos permite perceber e pôr à prova tudo o que pensamos e sentimos a respeito de nós próprios e do mundo.

 Extraído do livro O bom da Vida.

domingo, 21 de maio de 2017

Estar em boa companhia 6

A companhia de uma pessoa não pode ser algo “comprado” nem coercitivo, pois a espontaneidade é componente natural de bons momentos de prazer com alguém. Uma boa companhia sabe quando sua presença não acontece por interesses outros que não sejam o simples prazer da presença. Quando o interesse não é explícito, existindo algo sub-reptício na relação com alguém, o prazer da companhia se torna artificial, dificultando a possibilidade de acontecer uma boa experiência. O estado de solidão de algumas pessoas pode ser decorrente da inabilidade em construir sólidas amizades ou de proporcionar boa companhia aos outros. Sendo por este motivo, cabe a prevenção assim como, a qualquer tempo, a abertura para novas amizades, sobretudo na “terceira idade”. O bom da vida deve ser experimentado em qualquer época, sob qualquer circunstância e sem a menor preocupação quanto ao julgamento coletivo.

Extraído do livro O Bom da Vida.

sábado, 20 de maio de 2017

Estar em boa companhia 5


Geralmente nos afastamos das pessoas que nos incomodam e que, de alguma forma, não têm os mesmos gostos e sentimentos que nós. Com isso, cada vez mais, vamos restringindo nosso círculo de relacionamentos, restando uns poucos amigos. Parece valer o princípio da não inclusão por falta de confiança em quem não se tem como amigo. É um mecanismo social natural, porém fomentador de solidão. Incluir, estabelecendo limites claros nas relações, é uma arte que poucos praticam. Via de regra queremos algo do outro, mas nem sempre nos dispomos a dar. Quando não queremos algo de material, desejamos mostrar nossa segurança, nossa inteligência, nosso status ou nosso poder sobre os outros. Tal atitude psíquica, às vezes, inconsciente, provoca reações desfavoráveis no outro, principalmente o sentimento de inferioridade com consequente necessidade de demonstrar o contrário, tornando-se, inadvertidamente, opositor de quem lhe fala. Isto contribui para a consolidação de uma personalidade arredia e isolada. O indivíduo se fortalece, mas paga o preço da solidão.

Extraído do livro O Bom da Vida

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Estar em boa companhia 4

Quando estamos a sós e as alegrias da vida nos atingem, sempre pensamos em alguém que poderia vivê-las ao nosso lado naquele momento. Para que não nos ocorra a ausência de pessoas queridas, devemos sempre incluir, em nossos programas mais simples, pessoas de quem gostamos a fim de que elas gradativamente se insiram nos momentos decisivos de nossa vida. Esta inclusão deve obedecer ao princípio da igualdade, pois o outro deve se sentir pertencente, sem obrigatoriedade ou mesmo sem que haja superioridade entre as pessoas.

Extraído do livro O Bom da Vida.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Estar em boa companhia 3

Pensamos que as boas companhias são tão somente aquelas dos nossos amigos; também nem sempre são os familiares que conosco convivem. Porém é importante fazer amigos, além de proporcionar o prazer de estar em boa companhia entre os familiares e compartilhar com eles as alegrias e as dificuldades naturais da vida. Quando percebemos que, entre os familiares, há pessoas de quem não gostamos ou que não gostam de nós, devemos, diante da impossibilidade momentânea de torná-las amigas, emitir-lhes bons pensamentos para que, recebendo-os, não se amplie a distância existente. É em família que vivemos significativas experiências de aprimoramento pessoal, desenvolvemos habilidades relacionais e nos reconhecemos pertencentes a um grupo referencial.


Extraído do livro O Bom da Vida.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Estar em boa companhia 2

Estar em boa companhia implica em ser capaz de manter relações saudáveis, transmitir bem-estar a sua volta, incluir pessoas sem interesse de reciprocidade, ser bom anfitrião e ter a capacidade de aceitar as diferenças. As boas companhias são aquelas que nos trazem prazer no convívio, que são capazes de nos proporcionar crescimento, que geram desejo de continuidade no contato e que promovem o sentido de pertencimento. Nem sempre nossos amigos são as melhores companhias a todo tempo, pois certos momentos podem ser compartilhados por pessoas que circunstancialmente se encontram muito próximas e servem de apoio para o prazer da experiência. É uma arte estar em boa companhia quando não se tratam de amigos ou de pessoas de nossas relações cotidianas.


Extraído do livro O Bom da Vida.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Estar em boa companhia 1

Relacionar-se é a forma mais importante de aprender e se desenvolver na vida. Nossas companhias e amizades são elementos que fortalecem nossos princípios e se tornam âncoras para a afirmação de valores e para a aquisição de habilidades úteis na vida em sociedade. É importante aprender a conviver e a estabelecer relações afetivas para que haja desenvolvimento pessoal e melhoria da vida em sociedade. É necessário aprender a atrair pessoas a partir de uma personalidade agradável, de fácil convivência e não exigente para com os outros. Crescemos no que fazemos na vida, mas principalmente nas experiências emocionais adquiridas em relações vivenciais com as pessoas.


Extraído do livro O Bom da Vida.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Sentir-se Saudável 4

A estabilidade espiritual implica no equilíbrio com sua dimensão sagrada e com sua espiritualidade, na qual a pessoa se sente sem culpas, consegue estabelecer uma relação íntima com Deus, sem medo da morte, consciente de sua imortalidade e plenamente feliz em sua religiosidade. Esta estabilidade para a conquista de uma vida saudável requer o investimento em práticas permanentes de contato com o espiritual, em busca de conhecimento e de conexão com suas próprias raízes. Este contato, longe do interesse em alcançar salvação, visa a manutenção do equilíbrio total da pessoa, com fundamento na consciência pacificada pela despreocupação com seu destino após a morte. A união do bom funcionamento do organismo, do equilíbrio psíquico, da harmonia sócio-afetiva e da estabilidade espiritual, principalmente da maneira como a pessoa lida com estes fatores, levará a uma vida saudável. O bom da vida será melhor sentido quando o ser humano conseguir ter uma vida saudável, mesmo que se encontre atravessando dificuldades em qualquer das dimensões de sua vida.

Extraído do livro O Bom da Vida.


domingo, 14 de maio de 2017

Sentir-se Saudável 3

A harmonia sócio-afetiva diz respeito ao mundo das relações afetivas da pessoa, bem como das condições sociais que vive. A convivência produz vínculos afetivos, gerando sentimentos que criam referenciais psicológicos que ancoram o eu. Estes sentimentos alimentam o Espírito, revigorando as disposições de fazer as coisas e servir de motivação para a vida. Estabilidade na vida afetiva implica na eliminação de mágoas, no domínio do medo de perdas e na percepção dos desejos conscientes e inconscientes que permeiam os afetos humanos. Por outro lado, as condições sociais em que vive uma pessoa, a infraestrutura que serve de base para a vida cotidiana e suas condições econômicas também influenciam na estabilidade geral. A harmonia sócio-afetiva requer a superação das dificuldades ambientais que dificultam a estabilidade emocional da pessoa, aliado ao estabelecimento de saudáveis relações afetivas por onde transita.

Extraído do livro O Bom da Vida.

sábado, 13 de maio de 2017

Sentir-se Saudável 2

O equilíbrio psíquico compreende a capacidade em lidar com os pensamentos e ideias que assumem a Consciência, bem como com as invasões que naturalmente acontecem. Os julgamentos comuns, as lembranças recorrentes e as imagens das experiências da vida, que permeiam o pensar consciente, requerem estabilização e adequada atenção para que não perturbem o necessário equilíbrio psíquico. Lidar com a própria mente e seu bom funcionamento para que o foco da vida seja melhor dirigido requer controle emocional, administração das oscilações dos sentimentos, domínio da energia adicionada a cada experiência. Tal equilíbrio deve receber a contribuição da disposição pessoal de estar sempre dando o melhor de si, desejando o bem e sem medo do destino que tece.

Extraído do livro O Bom da Vida.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Sentir-se Saudável 1

A saúde compreende o encontro de vários fatores que envolvem o bom funcionamento do organismo, o equilíbrio psíquico, a harmonia sócio-afetiva e a estabilidade espiritual em que se situa uma pessoa. Não basta, portanto, apenas um dos fatores se encontrar sob controle e estável, pois um dos outros quando em desarmonia afeta a integridade do eu no que diz respeito ao sentimento de bem-estar pessoal. O bom funcionamento do organismo requer cuidados com alimentação, exercícios regulares e visitas aos profissionais de saúde, a fim de garantir uma vida saudável. Na existência de algum problema crônico ou quando ocorrer o surgimento de alguma doença ou mesmo algo grave que ameace a vida física, é fundamental que o significado atribuído ao evento concorra para o sentimento de bem-estar. Nenhum evento considerado negativo deverá ser tratado como maior do que a própria pessoa e sua integridade. Sempre é importante lembrar que o corpo físico é apenas uma parte de uma pessoa e não deve ser tomado como o fundamento essencial de sua existência.

Extraído do livro O Bom da Vida.