segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Nem sempre

Muitas vezes, a melhor opção não é aquela que parece ser a mais lógica nem a que se mostra mais viável. A complexidade da vida pode exigir soluções que ultrapassam o senso comum, em sintonia com propósitos espirituais elevados. A singularidade do Espírito impõe escolhas que desafiam o julgamento maniqueísta que reduz os horizontes da alma humana. Nem sempre se deve optar pelo certo, pelo correto ou pelo concordante com a legalidade; tampouco deve-se pensar que o contrário é a melhor via a ser seguida. Porém, todas as escolhas e opções a serem feitas na vida, das mais simples às mais completas, devem atender aos ditames do amor, da harmonia e da paz, pessoais e coletivos. O caminho da espiritualidade é o do coração, da leveza e da íntima ligação com Deus.


3 comentários:

  1. caminho do meio...consciência tranquila...paz de espírito

    ResponderExcluir
  2. A vida estanque nos dá cobertas esperanças
    de abrir múltiplas vias ao espírito em movimento,
    na escolha do mais sábio e correto pensamento,
    sem prever o susto, medo e a desconfiança.

    Que o que se vê não se programa,
    na circunstância de uma visão lá isolada,
    escolhida no acorde de uma nota soletrada,
    perfeita e imperfeita, na imagem de um drama.

    Não se reduz o espírito ao som dos desafinares
    nem se conduz a escolha por leves desatinares,
    mas sua glória imortal o leva à paz de seu lugar,

    E sustenta seu voo pela escolha bem formada,
    no equilíbrio de ser certo e errado em seu traçado,
    amando toda gente e doando a vida em seu rezar.

    ResponderExcluir
  3. Muitas vezes, para escolha do melhor caminho a seguir, temos que escutar o nosso íntimo. É nele que Deus se encontra. Muita paz!

    ResponderExcluir